quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

A confecção das minhas peças...

As minhas peças não ficaram exactamente como as projectei no papel, pois é muito diferente ver o desenho no papel e depois executá-lo em 3D, apesar disso fiquei bastante satisfeita com elas.









Anel  – arame e lã
          – os dois andares e os círculos representam protecção, as linhas   o que estou a tentar proteger. Tons de azul, uma das cores do     conceito.







Pregadeira – cartão, pasta de papel, arame, linha de coser, cera e                                 guache
                      – representa a protecção que se impõe pelo arame à volta                          da peça (prende-se com parte do arame). Bordô e roxo,                          cores do conceito










Pendente – cartão, pasta de papel, missangas, cola líquida e                                         purpurinas
                  – representa já a remoção da protecção, ao que                                          normalmente associamos com núcleo, algo brilhante. Bordô                    como cor principal, umas das cores do conceito




Apresentação final

Materiais utilizados:
-         Frigideira
-         Taça
-         Batedeira manual
-         Faca
-         Livro de receitas
-         Embalagem de ovos (vazio)
-         Embalagem de leite (vazio)
-         Pacote de farinha (vazio)
-         Pacote de açúcar (vazio)
-         Tiras de papel de seda
-         Crepe feito em cartão e forrado a papel de seda
-         Fato feito de pasta de papel pintado com tinta acrílica com botões de cartão pintados a guache
-         Anel feito em ourivesaria

A minha apresentação consistiu em tentar fazer crepes com o fato vestido (que representava a minha protecção), que me atrapalhava constantemente, fazendo-me andar devagar ou deixar cair os crepes. Depois de algumas tentativas falhadas comecei a ficar frustrada e cortei e rasguei o fato com uma faca suspirando depois de alívio, que representava eu a libertar-me da protecção que impunha a mim mesma. Em seguida tentei fazer outro crepe, com sucesso.
Na apresentação usei o anel que fiz em ourivesaria.


video

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Apresentação final - Maquete

O meu conceito é a Protecção a mim mesmo e o "livrar-me" dela, por isso criei um cenário onde pudesse criar a ideia de me libertar com uma situação do quotidiano.




Depois de ter estruturado a minha apresentação recriei um cenário algo ideal numa maqueta.
Esta que, depois de fazer alguns esboços, fiz numa caixa de cartão.




A formar ideias...

Depois de termos explorado as nossas ideias em aguarela, fomos buscar os elementos e os padrões que contornámos e que nos interessaram. Fomos agrupando as ideias até formarem vários esboços de possíveis peças. A partir desses esboços fomos agrupando vários elementos das diferentes hipóteses e criámos os primeiros esboços da nossa peça.







As primeiras aulas - Ourivesaria

Nas primeiras aulas foram-nos apresentados Power Point's com alguma da matéria que precisávamos de saber: alguma história, técnicas e exemplos de ourivesaria.
Depois desse trabalho mais teórico foram-nos dados alguns livros com variados exemplares de ourivesaria, de onde tirámos elementos com que nos identificasse-mos e transpuse-mo-os para o papel.





De seguida foi-nos pedido que trouxesse-mos vários materiais de casa, como: cola, arame, plástico, cartão e outros materiais que quiséssemos usar na confecção da peça.
Na aula seguinte, já com esses materiais realizámos algumas experiências para experimentar as várias ferramentas e diferentes flexibilidades dos materiais.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Análise de uma jóia - Relicário


Relicário em prata - Séc.XV d.C.

       Espessura: 1,6cm
       Diâmetro: 6,4cm
       Da corrente: 52cm
      Técnicas: serragem, soldadura e cravação.
       Materiais: Prata, 14 cabochões, 2 pedras facetadas - ametistas e granadas, vidro, papel manuscrito e madeira.
       Autor: Desconhecido

       + No seu interior podem-se observar pequenos pedaços de papel com inscrições manuscritas que envolvem pequenas relíquias e um pedaço de madeira, que segundo creio, conta-se que foi retirada da cruz de Jesus Cristo (como muitos relicários da altura). Na parte de trás do relicário existe uma placa de data posterior à peça, com a cena gravada da Descida da Cruz (Jesus nos braços de Maria, ladeados por Maria Madalena e São João),

       + Este relicário, como o nome indica, foi criado para guardar relíquias, algo sagrado para a igreja ou para a pessoa que o possui.

       + Esta peça esteve no Convento da Conceição, em Beja, de onde foi transferido para o Museu de Arte Antiga, onde se encontra actualmente.

       + Penso que é um relicário muito bonito, com uma grande influência do gótico, o que lhe dá um ar algo sombrio e melancólico. Gosto especialmente dos pedaços de manuscrito que são visíveis através do vidro.                                                                                                           
        A peça faz-me lembrar o período gótico romântico, pois é feita em tons frios e escuros, próprio dos objectos usados pela e feitos para a igreja.
       Com tons sóbrios e semelhantes faz-me lembrar os romances medievais, os amores trágicos, lembra a prisão dos conventos e a era negra que foi a Era Medieval.                                                                                                                     


quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Os primeiros trabalhos

Depois de lermos o texto em frente à turma e de sermos sujeitos ao "interrogatório" habitual tivemos que explorar graficamente as primeiras ideias que tivemos.








Na última aula fizemos uns exercícios muito interessantes e criativos.
Consistiram em registar por meio de aguarela as ideias que nos vinham à cabeça à medida que íamos imaginando a nossa história, registo rápido e sem pensar. Depois de deixarmos secar contornámos com caneta preta as formas que queríamos e explorámos texturas.






Pesquisa - Conceito

Depois procurei várias imagens para me ajudar a ajudar a explorar o trabalho graficamente.